Seguidores

quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

Mensagem dos Exemplos Natalinos do Mestre Jesus


quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

Federação Espírita Pernambucana completa 108 anos

























 
Nesse sábado, dia 08 de dezembro de 2012, todos estão convidados a 
participar da Sessão Solene em comemoração aos 108 anos de Fundação
 da Federação Espírita Pernambucana.
Programação Especial:
08h30 – Apresentação Cultural – Ricardo Andrade – Voz e Violão – Hino 
à Federação
09h00 – Abertura da Reunião – Composição da Mesa –Ednar Santos – 
Presidenta da FEP
09h10 – Palesta Pública com José Gomes Andrade Filho(FEP) sobre o 
tema: Aspectos Históricos do Movimento Espírita Pernambucano
10h00 – Encerramento – Prece Final – Ednar Santos
Local: Auditório da FEP – Como Chegar



Palestra do Natal de Jesus na Federação Espírita Pernambucana




































Será na terça-feira, dia 25 de dezembro, às 19:00 h, a Palestra Comemorativa do Natal de Nosso Senhor Jesus. O palestrante será Leonardo Machado que abordará o tema: O Natal de Jesus e as Belezas da Vida.



Mostra Espírita 2013 – O Ser Interexistencial e seus Conflitos

-seus-conflitos/
Acompanhe a Programação e demais informações no endereço: http://www.mostraespirita.blogspot.com.br/

http://federacaoespiritape.org/mostra-espirita-2013-o-ser-interexistencial-e-seus-conflitos/


Em breve: filme sobre Allan Kardec








Publicado na coluna de Ancelmo Gois no jornal O Globo: 
Cinema Espírita - A Conspiração, que acaba de lançar
o elogiadíssimo “Gonzaga – De pai para filho”, vai produzir
 uma nova biografia. Desta vez, do francês Allan Kardec
(1804-1869), “criador” da doutrina espírita, que no Brasil
 faz um tremendo sucesso.

sexta-feira, 2 de novembro de 2012

A Morte Não é Nada


quinta-feira, 4 de outubro de 2012

Ante a Morte de um Ente Querido













































Fonte: Reformador. Ano 30, Nº 2.194, Janeiro 2012.

Seminário de Trabalhos Científicos - Sobrevivência do Espírito












terça-feira, 2 de outubro de 2012

INDULGÊNCIA




De acordo com alguns dicionários a palavra indulgência significa: 

Facilidade em perdoar os erros dos outros, clemência, tolerância, 

indulto, perdão, bondade, misericórdia.

 

O Espiritismo adota a divisa “Fora da caridade não há salvação”. 

Há nessa máxima, dois conceitos principais:

Salvação: Emmanuel (o consolador, nº 225): Temos de traduzir

o conceito de salvação por iluminação de si mesmo, a caminho

das mais elevadas aquisições e realizações no infinito.

 

O aprimoramento é tarefa individual de cada Espírito, tendo como

objetivo final a condição de Espírito perfeito. A evolução

é pessoal e intransferível – a cada um segundo suas obras.

Caridade: é composta por três virtudes: benevolência, indulgência

e perdão. 

 

Objetivando obter o melhor conceito de caridade, na questão nº 886

de O livro dos Espíritos, Kardec indaga à espiritualidade superior

qual o verdadeiro sentido dessa palavra, segundo a entendia Jesus.

Obtém a seguinte resposta: “Benevolência para com todos, indulgência

para as imperfeições dos outros, perdão das ofensas”.

 

Assim, quando Jesus aconselha que não se julgue, o conselho não

parece ser em sentido absoluto, mas apenas a que não se

julgue com severidade.

 

A indulgência implica fazer um juízo suave das imperfeições

morais alheias.

 

É uma questão de valorizar o bem, em vez do mal.

 

Quando se fala em julgamento, logo vem à mente a famosa

frase de Jesus: “Não julgueis, para que não sejais julgados.”

(Mateus: 7:1).

 

Trata-se de uma medida prudente, tendo em mira a afirmação

de Jesus de que cada um será medido com a medida que

aplicar aos outros (Mateus: 7:2).

 

A respeito, o seguinte trecho de O Evangelho segundo o

Espiritismo: “Sede indulgentes com as faltas alheias,

quaisquer que elas sejam; não julgueis com severidade

senão as vossas próprias ações e o Senhor usará

de indulgência para convosco, como de indulgência

houverdes usado para com os outros”

(Capítulo X, item 17, primeira parte).

 

Nesse mesmo capítulo do Evangelho segundo o Espiritismo,

no item 16, há uma interessante dissertação de José,

Espírito Protetor, a respeito da indulgência. Ele afirma que

a indulgência não vê os defeitos de outrem, mas, se os vê,

evita falar deles. Ao contrário, oculta-os.

 

Ninguém gosta de ficar perto de uma pessoa severa, que só

percebe e valoriza os defeitos alheios. É desagradável sentir-se

criticado, não apreciado, sem falar que ter as próprias dificuldades

ressaltadas desanima, a ponto de muitas vezes surgir o raciocínio

de que nada mais há para fazer: é-se um caso perdido!

 

A indulgência, como componente da caridade, não é só a meta

(a libertação final, fruto da vivência perfeita), mas também o

caminho, ao viabilizar a fraternidade entre seres ainda imperfeitos,

mas que sonham com a perfeição e precisam se auxiliar em sua

caminhada.

 


III Jornada Pernambucana de Saúde e Espiritualidade - 2012


PAZEAR - 2012


JORMESP-PB


















34ª Semana Espírita Cabense


quinta-feira, 30 de agosto de 2012

A Verdade de Cada Um





















Não adianta esconder a própria verdade. Ela escapa por entre os dedos, revelando-se a quem tem olhos de ver.

Verdade que se oculta, demora na revelação.

Há quem olhe para fora, à procura de respostas que na verdade estão dentro, na intimidade de si mesmo.

Uma história ilustra bem essa realidade.

Narra Mansour Chalita1 que Mullah Nasrudin, o homem santo sufista, exímio gracejador, atravessava frequentemente a fronteira entre a Turquia e a Grécia, montado em seu cavalo.

Sempre que cruzava a fronteira, levava uma sacola com pedras preciosas e outra com poções medicinais, pois tinha permissão legal para transportá-las.

Quando o guarda perguntava qual era o seu negócio, ele respondia:
"Sou contrabandista".

Todas as vezes, o guarda o revistava e nunca encontrava nada incomum. A cada viagem, Nasrudin ficava mais rico, e o guarda, cada vez mais desconfiado. 

Apesar de todas as revistas, feitas a cada vez com mais riqueza de detalhes, nunca encontrava nada.

Finalmente, o viajante se aposentou. Um dia, encontrou-se em uma reunião social com o mesmo guarda da fronteira, que lhe perguntou:
– Nasrudin, agora que você se aposentou e não pode ser processado, conte-me o que contrabandeava, que nunca encontramos e que lhe trouxe tanta riqueza.
Nasrudin respondeu tranquilamente:
– Eu negociava cavalos!
Um segredo fica mais bem escondido quando é óbvio, e pode ser descoberto quando você para de pensar que ele está oculto.

Assim acontece com nossa saúde. É fácil dizer "tudo vai bem", mesmo que o que esteja por trás das aparências não seja algo tão bom assim. E isso passa a ser um risco, quando está em jogo uma solução que precisa ser rápida, que preserve a vida e a integridade da pessoa.
Há quem esconda tanto a própria realidade, que acaba perdendo contato com a verdade que mora dentro de si.

Emmanuel alerta sobre esse aspecto, quando afirma:
Os reflexos dos sentimentos menos dignos que alimentamos voltam-se sobre nós mesmos, depois de convertidos em ondas mentais, tumultuando o serviço das células nervosas que, instaladas na pele, nas vísceras, na medula e no tronco cerebral, desempenham as mais avançadas funções técnicas [...]. 2

Mais adiante, na mesma página, o Benfeitor esclarece [...] que esses reflexos menos felizes, em se derramando sobre o córtex encefálico, produzem alucinações que podem variar da fobia oculta à loucura manifesta, pelas quais os reflexos daqueles companheiros [...] nos atingem com sugestões destruidoras, diretas ou indiretas, conduzindo-nos a deploráveis fenômenos de alienação mental, na obsessão comum, ainda mesmo quando no jogo das aparências possamos aparecer como pessoas espiritualmente sadias".3

Um dia, entenderemos que a manutenção da saúde não depende de remédios e drogas, mas de uma decisão interior, que nos remeta a um estado íntimo de saúde emocional. Para quem decidir viver nessa faixa psíquica, "cair de cama" será uma exceção, e não uma regra.

As verdades de nosso corpo espelham nossas opções mentais.

Fugir da própria realidade pode ser uma solução passageira, mas, com o tempo, essa escolha silenciosamente vai impor uma solução melhor.

É mais interessante encontrar uma maneira de ser saudável, do que apenas estar saudável.
A decisão é nossa. Está em jogo nossa felicidade.

A questão é definir claramente o que podemos fazer para acionar nossos próprios mecanismos de melhoria, sem precisar depender de "remédios" que nem sempre estão ao nosso alcance.

CARLOS ABRANCHES

1 MANSOUR, Chalita. Os mais belos pensamentos de todos os tempos. 2. ed. São Paulo: Ed. Acigi.
2 XAVIER, Francisco C. Pensamento e vida. Pelo Espírito Emmanuel. 18. ed. 1. reimp. Rio de Janeiro: FEB, 2009. Cap. 15, p. 67.
3 Idem, ibidem.

 
Fonte: Reformador. Ano 128, Nº 2.171, Fevereiro, 2010, FEB. 



A MISSÃO DO ESPIRITISMO



































A missão do Espiritismo tanto quanto o ministério do Cristianismo, não será destruir as escolas de fé, ate agora existentes, acolheu a revelação de Moisés.

A Doutrina dos Espíritos apóia os princípios superiores de todos os sistemas religiosos. Jesus não critica a nenhum dos Profetas do Velho Testamento, O Consolador Prometido não vem para censurar os pioneiros dessa ou daquela forma de crer em Deus.

O Espiritismo e, acima de tudo, o processo libertador das consciências a fim de que a visão do homem alcance horizontes mais alto.

Há milenios, a mente humana gravita em derredor de patrimônios efemeros, quais sejam o da precária posse fisica, atormentada por pesadelos carnais de vanada especie. Guerras de todos os matizes consomem-lhe as forças. Flagelos de multiplas expressões situam-lhe a existencia em limitaçoes aflitivas e dolorosas.
Com a morte do corpo, não atinge a liberaçao. Com Com a morte do corpo, não atinge a liberaçao. Além-túmulo prossegue atenta as imagens que a ilusão lhe armou ao caminho, escravizada a interesses inconfessaveis. Em plena vida livre, guarda, ordinariamente, a posição da criatura que venda os olhos e marcha impermeável e cega sob pesadas cargas a lhe dobrirem os ombros.

A obstinaçao em disputar satisfaçoes egoisticas entre os companheiros da carne, constitui-lhe deploravel rnibiçao e os preconceitos ruinosos, os teríveis enganos do sentimento, os pontos de vista pessoais as opiniões preconcebidas, as paixões desvairadas, os latos enfermiços, as concepoes cristalizadas, os propósitos menos dignos, a imaginação intoxicada e os hábitos perniciosos representam fardos enormes que constragem a alma ao passo vacilante, de atenção voltada para as experiências inferiores.

A nova fé alargar-lhe a senda para mais elevadas formas de evolução. Chave de luz para os ensinamentos mentos do Cristo, explica o Evangelho nao como um tratado de regras disciplinares, nascidas do capricho humano, mas como a salvadora mensagem de fraternidade e alegria, comunhão e entendimento, abrangendo as mais simples da vida.

Aparece-nos, então Jesus, em maior extensao de sua glória. Nao mais como um varão de angústia, insinuando a necessidade de amarguras e lágrimas e sim na altura do heroi da bondade e do amor, educando para a felicidade integral, entre o serviço e a compreensao, entre a boa vontade e o júbilo de viver.

Nesse aspecto vemo-lo como o maior padrao de solidariedade e gentileza, apagando-se na manjedoura, irmanando-se com todos na praça pública e amparando os malfeitores na cruz, a extrema hora, de passagem para a divina ressurreição.

O Espiritismo será, pois, indiscutivelmente, a força do Cristianismo em ação para reerguer a alma humana e sublimar a vida.
O espaço infinito, pátria universal das coristelações e dos mundos, é sem dúvida, o clima natural de nossas almas, entretanto, nao podemos esquecer que somos filhos, devedores, operários ou companheiros da Terra, cujo aperfeiçoamento constitui o nosso trabalho mais imediato e mais digno.
Esqueçamos, por agora, o paraíso distante para aludar na construçao do nosso próprio ceu. Interfiramos menos na regeneraçao dos outros e cogitemos mais de nosso proprio reajuste perante a Lei do Bem Eterno, e, servindo incessantemente com a nossa fé à vida que nos rodeia, a vida por sua vez, nos servirá infatigável, convertendo a Terra em estacao celestial de harmonia e luz para o acesso de nosso Espírito à Vida Superior.
Pelo Espírito de Emmanuel

Fonte: XAVIER, Francisco Cândido. Roteiro. 13. Ed. Rio de Janeiro: FEB, 2008.Cap. 38.

domingo, 19 de agosto de 2012

O ESPÍRITO DA VERDADE

Doutrina dos Espíritos sem Jesus, não faz sentido

 Mais uma vez levantamos a questão sobre o surradíssimo realejo dos que intentam banir o Cristo da Doutrina Espírita, para transformá-la - pasmem! - numa espécie de academia de "doutores antimísticos". Volto ao tema, porque tais confrades têm se colocado como vítimas da pecha de afugentadores do Mestre Maior das hostes doutrinárias. Trôpegos, cavalgam, suspirando a falácia de que peregrinam o calvário da xenofobia contra eles.

É evidente que há um estranho movimento de alguns confrades, para expulsar Jesus do Espiritismo ou, pelo menos, reduzi-lo a mera figura de segundo escalão no ideário espírita, iniciativa infeliz que esbarra na firme convicção do próprio Kardec, que o reconhece como a figura mais importante da Humanidade.

Os discípulos de Angeli Torterolli (aquele que insultou várias vezes Bezerra de Menezes no século XIX, na famigerada luta entre "místicos e científicos"), nos dias de hoje, alguns desenterram ossos e relembram-lhe o nome como uma das figuras mais expressivas(?!) e desconhecidas do movimento espírita brasileiro. Tais coveiros criticam Chico Xavier, a FEB e Emmanuel (na afirmação de que, por ter sido o Padre Manuel da Nóbrega, estava trazendo influência católica) para o Espiritismo e, - acreditem! - afirmam que o "Kardec brasileiro" era mariólatra e nunca abandonou sua simpatia pelo catolicismo.(?!)

Achincalham, até, a figura do pioneiríssimo Olympio Teles de Menezes, alcunhando-o de espiritólico, pois, que conciliava os princípios espíritas com algumas crenças católicas.

As trevas são poderosas? Claro! Atualmente, essas tropas, disfarçadas de espíritas, infiltradas no movimento doutrinário brasileiro, querem separar a parte científica, filosófica e religiosa da Doutrina, afirmando que o Espiritismo não é religião, ou seja, estão querendo colocar Jesus como coadjuvante do projeto do Espiritismo.

As hordas das regiões densas são poderosas e se "organizam", uma vez que têm, como meta, a retirada de Jesus dos estudos espíritas. Se conseguirem retirar o Cristo da Doutrina Espírita, a casa espírita se transforma em escola de fantoches da ilusão, vira circo mesmo, vira comédia! Se abolirmos os estudos evangélicos do projeto espírita, vira negócio estranho, lembrava nosso velho Chico.

Sejamos lúcidos e francos: Sem Jesus, o Espiritismo deteriora e acaba! Fazendo coro com as sábias palavras de Chico Xavier, relembramos que o Mestre Jesus está na nossa experiência cotidiana. Tanto é verdade, que em nossas agruras e dissabores pungentes, o primeiro nome de que nos lembramos, capaz de nos proporcionar alívio e reconforto, é JESUS. (...)

No filosofismo desses obsedados, usa-se o reforço de palavras ocas, através de arranjos de definições e conceitos que sempre giram em torno de um mesmo eixo, qual rosca-sem-fim, e sem avanços efetivos. Confrades esses, encabrestados por astutos cavaleiros das brumas umbralinas, atestam que Kardec escreveu o Evangelho para apaziguar os teólogos, tentando uma aproximação com a Igreja (!) Nesse desenfreado galope de raciocínio, desrespeitam a seriedade do ínclito Druida de Lyon. Arremessam, na estribaria, o caráter ilibado de Kardec e a firmeza de suas convicções. O bom senso nos sussurra, obviamente, que os teólogos ortodoxos não ficaram satisfeitos com o terceiro livro do Pentateuco Kardeciano.

Pensam que é só isso? Não, tem mais! Então, vejamos: apregoam, esses vanguardeiros da arrogância, que é necessário atualizar e contextualizar o pensamento do Codificador. Que os centros espíritas precisam se transformar em centros de cultura espírita, sem as amarras do religiosismo decrépito e ultrapassado.

São, inequivocamente, andróides das trevas que espalham as esdrúxulas idéias: "Jesus é somente o emergir de um arquétipo plasmado no inconsciente coletivo". Nesse arroubo de supremo reducionismo, atestam que, de tudo quanto a civilização cristã reteve de Jesus, nesses dois milênios, muito mais há de mito. Enxovalham nossas mentes com afirmativa do tipo: -"Nosso Jesus não é o mítico Governador do Planeta, aquele que vive, entre "Anjos e Tronos", na bela ficção literária de Humberto de Campos" e, ainda, regurgitam outras pérolas frasais como: -"Nosso Jesus, inteiramente homem, não evoluiu em linha reta" e, mais ainda, cacarejam: -"Jesus não criou nenhuma nova moral. Apenas interpretou, adequadamente, aquela que sempre esteve no coração do homem por todos os tempos e lugares.! Que talento, hein! Tratam, o mais supremo dos homens como um "João ninguém".

Em que pese nossas palavras mais contundentes no texto, temos a dúlcida energia para afirmar que Jesus é o Governador espiritual do planeta e de todos os espíritos que nele se encontram. Suas faculdades morais e espirituais jamais poderemos definir em nossa paupérrima linguagem humana. Ele foi a manifestação do amor de Deus, a personificação de sua bondade. Para o célebre pedagogo e gênio de Lyon, o Cristo foi "Espírito superior da ordem mais elevada, Messias, Espírito Puro, Enviado de Deus, é Diretor angélico do orbe e Síntese do amor divino". Sua lição, acima de editos e espadas, decretos e encíclicas, sobe sempre e cresce cada vez mais, na acústica profunda da audição humana, preparando os homens e a vida para a soberania do Amor Universal.

Embora seja Ele o centro de polêmicas e cogitações infindáveis, Jesus, para nós espíritas, foi, é, e sempre será a síntese da Ciência, da Filosofia e da Religião. Concretamente, a Doutrina dos Espíritos sem Jesus não faz sentido como uma Nova Ordem Espiritual para a Humanidade.    
 
Jorge Hessen

Fonte: http://oespiritodaverdade.blogspot.com.br/


Palestra com Divaldo Pereira Franco na FEP

















A Federação Espírita Pernambucana convida a Todos para 
participar de Palestra com o Confrade e Emérito Conferencista
 Espírita Baiano – Divaldo Pereira Franco, fundador da Mansão
 do Caminho, entidade benemérita situada em Salvador – BA.
Data: Domingo, dia 26/08/2012, das 16 às 17h00
Local: Auditório da Federação Espírita Pernambucana
Participe de momentos de Música, Conhecimento e Enlevo.

Fonte: http://federacaoespiritape.org/palestra-com-divaldo-pereira-franco-na-fep/

6º Fórum de Juventude Espírita de Pernambuco


































Juventude Espírita Pernambucana,
É com grande alegria que o DIJ – Departamento de Infância e Juventude da Federação Espírita Pernambucana convida todos vocês para participarem consoco do 6º Fórum de Juventude Espírita de Pernambuco.
Convidem os jovens de suas casas espíritas para estarem conosco. Será uma grande oportunidade de convivência e excelente esperiência na troca de conhecimento.
Formem caravanas e participem ativamente nese belo dia! Contamos com a sua presença!
Abraços fraternos,
Ana Maria Champloni
Diretoria Colegiada DIJ/FEP
Mais informações pelo e-mail: dijfep@gmail.com

 Fonte: http://federacaoespiritape.org/6%C2%BA-forum-de-juventude-espirita-de-pernambuco/

Seminário O Homem é um Analfabeto Emocional


terça-feira, 7 de agosto de 2012

Oficina de Artes e Contação de História

















A Federação Espírita Pernambucana sob a Coordenação da
Área Federativa I promoverá no dia 11 de agosto 2012,
das 13 às 17h00 uma Oficina De Contação de Histórias e Arte.
Local: Sede do NEIL – Núcleo Espírita Investigadores da Luz
Rua da Boa Esperança, 91/93 – São José – Recife/PE
http://www.investigadoresdaluz.blogspot.com.br/
Mais informações e inscrição pelo E-Mail de
Maria Inês Feijó Machado Tavares, coordenadora
da AF-I – inesfmt@hotmail.com
Participe! A sua Presença fará a diferença.

Fonte:  http://federacaoespiritape.org/oficina-de-artes-e-contacao-de-historia/


A AME Pernambuco ministra Simpósio sobre Cura e Autocura


































A Associação Médico-Espírita de Pernambuco – AME – EPE convida a
todos para Workshop com o Dr. Andrei Moreira “Cura e Autocura
a ser realizado no próximo dia 12 de agosto(domingo).
Local: GEAP -Grupo Espírita Amor ao Próximo
Rua Zelindo Marafante,
45 Piedade – Jaboatão dos Guararapes
Fone: (81) 3462-1785

Como Chegar
Horário: 09 às 12h00
Entrada: 1kg de alimento não perecível
Mais Informações: Sandra e Pahola – SEcretaria da AME-EPE – ame-epe.blogspot.com

Fonte:  http://federacaoespiritape.org/a-ame-pernambuco-ministra-simposio-sobre-cura-e-autocura/


Verifique Alguns dos seus Conhecimentos Doutrinários


































































Fonte: Revista O Espírita. Ano XXVIII, Nº 122, Junho/Julho, 2006.


O Filme - E a vida continua...


































Em Agosto ou Setembro de 2012, o público verá nos cinemas brasileiros uma história fascinante.

E a vida continua...

Filme adaptado do livro “E A VIDA CONTINUA”, de André luiz, 
psicografado por Chico Xavier.

Direção e Roteiro: Paulo Figueiredo
Produção:  Versátil Digital Filmes e VerOuvir Produções
Produtores: Oceano Vieira de Melo, Sonia Marsaiolli de Melo e Paulo Figueiredo
Produtores Associados: FEB / VerOuvir / Versátil Digital Filmes
Distribuição Paris Filmes

Coordenação de Produção: Ricardo Parah
Gerência de Produção: Giselle Figueiredo
Produção de Elenco:Rosana Penna
Direção de Arte/Figurino: Liana Obata
Direção de fotografia: Tony Ciambra
Câmera:  Bruno Martins e Edson Audi
Som direto:  Gustavo Goulart e Geraldo Ribeiro

Sinopse:

A transposição deste romance para a tela põe em destaque o que a obra original tem de mais expressivo em seu conteúdo. Converte a essência de cada trecho literário em cenas vivas, instigantes, de interesse humano inquestionável.
Levado por uma dessas tantas "coincidências" da vida, um homem de cinqüenta anos conhece, em circunstâncias dramáticas, uma jovem de vinte e cinco. Fugitivo de si mesmo, sobrevivente de uma tragédia pessoal que o tempo ensinou a esconder num bem-humorado sorriso, no mesmo instante se encanta por essa moça, que além da frustrada paixão pelo marido infiel nenhuma razão mais possui para  continuar vivendo.

Como náufragos à deriva, Ernesto e Evelina juntam forças e esperanças. Mas não só amores e desamores passados os tornam semelhantes. A questão da saúde comprometida pela mesma enfermidade grave, outra "coincidência", lança expectativas sombrias no futuro dos dois. Como investir numa tão promissora amizade que pode acabar sem glória e sem despedida no centro cirúrgico de um hospital? Instala-se a dúvida. E nos poucos dias que os separam de seus destinos curiosamente parecidos, o homem e a mulher que o "acaso" trouxe para um encontro preparam suas almas apostando na Vida mas com um olho na Morte.

No último minuto de proximidade na estância de repouso preparatório para as cirurgias, dizer o quê? Adeus? Até breve?

Na falta de resposta o silêncio foi melhor. Um sorriso e uma mão acenando disseram mais.

Como no Teatro, fechava-se a cortina ao final do Primeiro Ato. O Segundo seria num outro palco, numa nova dimensão, para uma outra platéia. Entenderiam os protagonistas, agora, que a Vida é uma peça de muitos Atos, porém sem fim.

Atores principais do filme

AMANDA ACOSTA - Evelina Serpa
LUIZ BACCELLI - Ernesto Fantini
LIMA DUARTE - Instrutor Ribas
ANA ROSA – Lucinda
LUIZ CARLOS DE MORAES - Instrutor Cláudio
RUI REZENDE – Desidério dos Santos
LUIZ CARLOS FELIX – Caio Serpa
ANA LÚCIA TORRE - Brígida
CLAUDIA MELLO – Alzira
ARLETE MONTENEGRO - Sra. Tamburini
ROSANA PENNA – Elisa
RONALDO OLIVA -  Túlio Mancini
SAMANTHA CARACANTE – Vera Celina
CESAR PEZZUOLLI – Amâncio
CARLA FIORONI – Enfermeira Isa
PERSONAGENS DO UMBRAL - Guilherme Santana, Lucienne Cunha, Marco Antonelli e Débora Muniz, mais um grande elenco.

 Fontes:






domingo, 5 de agosto de 2012

I Encontro da Oficina de Orientação da Tribuna Espírita

A Equipe de Coordenadores da Federação Espírita Pernambucana, foi quem realizou o primeiro encontro da oficina. Equipe esta composta por Ana, Gertrudes e Ursulina, e os cursistas: Cláudia, Coutinho, Fátima, Lourdes, Magnólia, Murilo, Rosa, Sérgio.
Foi muito proveitoso o encontro, e temos a certeza que continuará sendo maravilhoso.

O primeiro encontro constou de:

1. Abertura com a prece do Pai Nosso na voz de Nando Cordel (CD) e que foi acompanhado por todos.
2. Explanação sobre os procedimentos básicos da tribuna, com a utilização de datashow.
3. Foi distribuído um texto para cada um dos cursistas e realizou-se um exercício de estudo, seguindo a seguinte metodologia: leitura, releitura, grifamento de palavras chaves do texto, transcrição das palavras grifadas, rearranjo de um novo texto segundo a compreensão de cada um. Leitura individual do novo texto formulado e houve uma explanação sobre cada visão textual.
4.Prece final.

Em, 05 de agosto de 2012







  Gegê e Lina














Ana


























Rosa, Coutinho, Sérgio, Murilo, Cláudia, Lourdes, Magnólia

















Clara, Elvira, Fátima, Rosa, Coutinho, Sérgio, Murilo, Cláudia, Lourdes


















Lourdes, Gertrudes, Sérgio, Ursulina, Magnólia, Murilo, Cláudia,
Rosa, Coutinho, Ana, Fátima


















Gertrudes, Sérgio, Ursulina, Clara, Murilo, Cláudia, Rosa, Coutinho,
Ana, Fátima


Fotos: Maria Clara Lins e Magnólia Botêlho


Músicas para a Alma